domingo, 12 de abril de 2009

Noite de amor


Soltam-se palavras,
Ficam beijos e abraços,
Roupas rasgadas,
É o último dos passos.
Frio na barriga
E, depois, calor incessante.
Esta é a dura fadiga
De todo o amante.
Os gritos abafam
O ruído da vida,
E os corpos se abraçam,
Na hora da despedida.

Sílvia Gonçalves

1 comentário:

(=...m...=) disse...

Fantástico...Soberbo..
Adorei o poema..
Continua...bjinho