domingo, 13 de setembro de 2009

Nova era


Folhas arrastadas pela brisa
Numa era ocasional.
Ficam jornais pelo chão
Sem notícias piedosas.
O tempo não é opcional.
O tic-tac dita que horas são.
São idades tenebrosas.
Parece um velho casario
De rugas fundas.
Sofás de pó.
Com alcatifas cor de lã.
Soltam-se vozes de tumbas.
Toda a aldeia expira dó.
Houve-se no charco uma rã.



Eis que vem a nova era!
Com flores e princesas.
É chegada a primavera.
Acabam-se os tempos de tristezas.
Num unicórnio dourado
Vem um homem valente.
Que conduz seu próprio fado
Com um olhar doce e carente.
Atravessou vales e montanhas
Para à princesa chegar.
Rompeu suas próprias entranhas
Para a poder beijar.



Eis que volta a nova era!
Tempo de escuridão.
Já se foi a primavera
E os amores já se lá vão.



Mas a esperança é reinante!
Virão muitas mais eras.
O amor é uma constante
E o resto são primaveras.

Sílvia Gonçalves

3 comentários:

Tobias disse...

eu sei que vou fazer novas amizades, mas sabe sempre bem ter as velhas perto de nos..

Tobias disse...

esta amizade não acredito que seja, nos passamos os dias, todos juntos , desde as 8.30 da manha ate as 6 da tarde, mas desde que começou o verão , afastou-se e sempre foi assim , no tempo de aulas, próximos depois no verão afastados e voltamos a aproximar em tempo de aulas... mas este ano já não vai ser assim ..
mas sim a amizades assim...

*_Clave de Sol_* disse...

Miminho para ti no meu blog ;) Bjinh*