sábado, 19 de dezembro de 2009

A temperança

Davam tudo por aquilo que julgavam ser real. Pobres dos que são moles do coração pois para eles a vida é dura.
Reforçavam os sentimentos. Menosprezavam o isolamento.
Tinham origens opostas e foram cruzar-se alcançando a união. Mas não era possível continuar a durar. Como sustentar forças contrárias? Como controlar o incontrolável? Não, não podia ser. Tinham de acordar.


Sílvia Gonçalves

2 comentários:

Pijaminha ^^ disse...

Bom natal querida
Fiz um poema sabias [sem queres ] :DD
BeijinhOsS*

Marta disse...

Desejo-te um FEliz Natal e um Ano novos cheio de coisas boas...:)

Beijinho*