terça-feira, 9 de dezembro de 2008



A saudade não mata
Mas devora.
Vou andando à deriva
Pela vida fora.

O vento não gela
Mas arrefece.
Vou olhando em frente,
Tudo o que acontece.

O murmúrio da chuva
Não incomoda, faz adormecer.
Vou vivendo na esperança
De feliz vir a ser.

O que escrevo ou imagino
Pode ou não acontecer.
Mas é a instabilidade da vida
Que nos permite sobreviver.
Sílvia Gonçalves

1 comentário:

Rodrigues Bomfim disse...

Em minha primeira vez aqui, gostei dos textos que li, teus escritos são muito bons..parabéns pelo blog!