quarta-feira, 1 de abril de 2009

Vagueando pela mente


Um dia, parei
No recanto do meu mundo,
Sem rumo nem lei,
Só com um vazio profundo.

Subi a escada do pensamento,
Passando pelo patamar da razão.
E cruzei-me com um velho avarento,
De seu nome Coração.

Surgiu, entre nós, uma conversa
Que rapidamente terminou,
Porque o velho estava com pressa
E quase nem me ligou.

Continuei o meu destino
Até alcançar a imaginação,
Que me tratou com carinho,
Melhor que o velho Coração.

No caminho de regresso
Tropecei num objecto.
E confesso,
Que me desviou o trajecto.

Mas, na vida, isso acontece até à morte,
Pensando que vamos para Este
Somos arrastados para Norte.
O destino é que nos tece.

Sílvia Gonçalves

1 comentário:

Daniel Silva disse...

A imagem está muito gira e o texto ESTÁ DIVINAL

pARABÉNS