sábado, 13 de fevereiro de 2010

Versos soltos




Era um rio a arder
Onde as algas fumegavam
E, no espaço do meu ser,
Os teus olhos flutuavam.

Era, realmente, tormenta
Que agitava a água da nascente.
O que importa é a vida breve e sedenta,
Não faz mal não ser para sempre.

Atravessando a ponte
Fui ao outro lado,
Subi o cume do monte
Num paço largo e ponderado.

Não me dou por satisfeita.
Um romance igual
É a mais triste receita,
O pior vinco do mal.

Falas pouco
Mas quando falas, marcas.
O meu coração? Dou-to.
Não é relevante o que com ele faças.

Sílvia Gonçalves

1 comentário:

Pedro disse...

Hahah vai ser lindo quarta. xD

Abri o jogo, mas não foi só agora. Já foi à muito mais tempo. ^^