quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Erras tu ou erro eu



Rasgas e recompões.
Ameaças e pedes perdão.
Estou cansada de sermões,
De ouvir sempre “não”.

Vou procurar a calma
Que me permita sorrir,
No meio da minha alma
Que sempre está a dormir.

Farei de tudo um sonho
Que se apaga com o amanhecer.
Tens um coração medonho
Mas que não me está a apetecer.

Não tenho vontade de ti.
Hoje sei lá o motivo.
Não quero ver-te aqui.
Nem dar-te um ombro amigo.

Redundante é o meu ser
Que em rodas se esquece
Que és o meu viver,
Que sem ti, meu mundo falece.

Esquece que te ignorei
E fiz de ti os meus trapos.
Agora que acordei
Não terei mais lapsos.

Sílvia Gonçalves

3 comentários:

Pedro disse...

Está qualquer coisa como muito bonito. (triste, mas bonito)

Pedro disse...

Obrigado. :')

Luis disse...

Escreves tãooo bem... =)